Um encontro e dois cenários

Camila custou, mas deu uma chance para o aplicativo de paquera. Ácido Acético Etílico Da Silva era o nome do pretendente. No seu mundo ideal, falariam de antigas civilizações, dos anos Bolsonaro, dos memes, dos intelectuais exilados em Paris, passando ainda pela última blogueira que foi cancelada e pelo menino Neymar, um injustiçado. “Ou qualquer coisa faço uma cena que ele some”, calculou.

Ela chegou, apertou sua mão e Ácido teve consciência de que a beleza de Camila era real. Já a moça lamentou em silêncio: “Parece um vampiro”. Decidida a falar menos, deixou que o rapaz iniciasse o assunto.

– Te acompanho no Twitter e te acho muito informada
– Jornalistas geralmente precisam ser.
– Mesmo assim. E você fala besteira. Adoro mulher que fala besteira.
– Tento falar de meia em meia hora.
– Que ótima! E Victor Hugo? Você realmente conseguiu ler “Os Miseráveis?”
– Visitei túmulo até.
– Você sempre com esse humor maravilhoso…
– Não entendi.
– Visitou túmulo do Victor Hugo?
– Sim, no cemitério da Consolação.
– Sério?
– Não. Foi uma piada.

Sem jeito, Ácido começou a soltar umas frases desconexas.

– Ronaldo foi o maior craque que o futebol já teve. Fernando Pessoa foi o maior poeta. Lula foi o melhor presidente.
– É…
– O pós-pago é mais barato, mas com o pré-pago a economia é maior? E percebo que você gosta de futebol. Acho incrível.
– Gosto.
– Joga Fifa?
– Jogo PES.
– AH AÍ É MENTIRA. Você deve ter algum defeito…
– Sim. Eu fumo.
– É espantoso que leis da natureza possam ser descritas pela matemática, concorda?

Camila, já impaciente, resolveu se manifestar.

– Você é assim cheio de assunto porque ninguém lhe dá atenção ou ninguém lhe dá atenção porque você é assim cheio de assunto?
– E você é assim tão esnobe pra disfarçar porque ninguém lhe dá atenção ou ninguém lhe dá atenção porque você é esnobe de verdade mesmo?
– Eu não sou o que você pensa, viu?
– Você é exatamente o que penso.
– E você não é a pessoa que pensa que é.

Em silêncio, Camila e Ácido ficaram diante de dois possíveis cenários.

Cenário I

– Eu não sou o que você pensa, viu?
– Você é exatamente o que penso.
– E você não é a pessoa que pensa que é.
– Se eu não sou o que penso que sou e você não é o que pensa que é, acredito que temos muito em comum.
– Sim. Podemos tentar.
E durante alguns meses foram felizes para sempre.

Cenário II

– Eu não sou o que você pensa, viu?
– Você é exatamente o que penso.
– E você não é a pessoa que pensa que é.
– Preciso fumar. Já volto.
E assim Camila saiu para comprar cigarro e nunca mais voltou.

*texto atualizado.

Os comentários estão encerrados.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑